Infraestrutura e Logística

18/06/2019

União vai repassar trecho da BR-476 para a iniciativa privada

O trecho da rodovia federal BR-476, entre União da Vitória e Curitiba, será o primeiro a ser concedido pelo Governo Federal para a iniciativa privada. A informação foi repassada pelo Secretário Nacional de Transportes Terrestres do Ministério da Infraestrutura, Jamil Megid Junior, durante reunião em Brasília com o governador do Paraná Ratinho Júnior e o Secretário Estadual de Infraestrutura e Logística, Sandro Alex.

A concessão irá permitir investimentos para a duplicação do trecho e, consequentemente, o aumento de capacidade. Posteriormente, será lançado o pacote de concessões com as demais estradas que irão compor o novo Anel de Integração das rodovias do Paraná.

Ainda durante a reunião em Brasília, Ratinho Junior e Sandro Alex acordaram com o Ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, que o novo Anel de Integração passará dos atuais 2,6 mil quilômetros de estradas para 4,1 mil quilômetros, nos quais estará incluída a BR-476. “Este novo Anel de Integração vai gerar um fluxo de desenvolvimento para os municípios gerando emprego e renda. E este trecho da BR-476 é uma demanda antiga da região, principalmente no que tange a duplicação e a manutenção da rodovia”, disse Sandro Alex.

Para permitir a duplicação e revitalização da rodovia mais rapidamente, a União vai antecipar a concessão do trecho já para 2020, permitindo o início das obras com antecedência. “Faremos da 476 um corredor de exportação, que vai trazer desenvolvimento a todo o Sul do Estado”, completou Sandro Alex. Ele ressaltou ainda a importância do trecho como elo entre Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, por onde passam diariamente cerca de 15 mil veículos.

A inclusão de pelo menos mais mil quilômetros no novo Anel de Integração tem o objetivo de promover uma integração mais efetiva da malha rodoviária paranaense e garantir o desenvolvimento regional para além das cidades-polo do Estado. Essa capilaridade maior vai criar corredores de escoamento de safra e produção industrial, inclusive ampliando a ligação com os estados de Santa Catarina, São Paulo e Mato Grosso do Sul.

“É preciso ressaltar também que os novos contratos serão pautados pela transparência, lisura, probidade, para que nunca mais aconteça no Paraná o que a Justiça e o Ministério Público infelizmente encontraram no nosso pedágio ao longo dos últimos 20 anos”, defendeu Sandro Alex.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.