Infraestrutura e Logística - Ferroeste

06/10/2017

Guarapuava faz consulta pública sobre a expansão da Ferroeste

A Ferroeste recebeu nesta quinta-feira (5), em Guarapuava, as primeiras contribuições da sociedade civil para a construção de uma nova ferrovia entre Dourados, no Mato Grosso do Sul, e o Porto de Paranaguá. Esta foi a primeira de quatro audiências públicas para debater o tema.

“Nosso objetivo é fazer uma ferrovia que tenha origem e carga no Centro-Oeste e Oeste do Paraná, Mato Grosso do Sul e Paraguai”, explicou o presidente da Ferroeste, João Vicentre Bresolin de Araujo. A segunda consulta pública acontece nesta sexta-feira (06), na Associação Comercial e Industrial de Cascavel (Acic).

Segundo Bresolin Araujo, atualmente apenas 20% das cargas chegam ao Porto de Paranaguá por ferrovia e destes, apenas 1% tem origem na região Oeste. “Cabe a nós do Governo do Estado encontrar uma alternativa”, ressaltou ele na reunião na sede da Associação Comercial e Empresarial de Guarapuava. Os detalhes do projeto foram apresentados pelo diretor de Produção, Rodrigo César de Oliveira, e pelo diretor administrativo-financeiro, Carlos Roberto Fabro.

“Guarapuava aprova integralmente o projeto”, disse o prefeito César Silvestri Filho.

EXPORTAÇÕES - Durante a Consulta Pública, a diretoria da Ferroeste explicou que hoje o Porto de Paranaguá movimenta 45 milhões de toneladas – 80% de toda demanda de importação e exportação do terminal é transportada pelo modal rodoviário. O volume de cargas ferroviárias atualmente corresponde a somente 9 milhões de toneladas, ou seja, 20% da produção do terminal.

Para 2030, o volume de cargas projetado pelo Plano de Desenvolvimento e Zoneamento (PDZ) do porto paranaense será de 80 milhões de toneladas, quase o dobro do atual. O volume ferroviário, no cenário mais pessimista, continuará o mesmo, de 9 milhões de toneladas, reduzindo para 11% a sua participação na produção total do porto.

As estatísticas mostram que somente a região Oeste produz 14 milhões de toneladas/ano, mas apenas 440 mil toneladas desta produção são transportadas por ferrovia até o porto. Estima-se a produção de 21 milhões de toneladas/ano em 2035 para a região Oeste.

Para o presidente da Ferroeste, é necessário um conjunto de ações no sistema de transporte para que a cadeia logística funcione sem grandes gargalos que estrangulem as importações e exportações portuárias. “O sistema ideal para o aumento de capacidade do agronegócio é a ferrovia, uma vez que não há margem para aumento de capacidade da BR-277, que já é duplicada, e, além disso, a implantação de uma terceira faixa na Serra do Mar é bastante complexa”.

Também estiveram presentes na audiência o presidente da Acig, Rudival Kasczuk, e a deputada estadual Cristina Silvestri.
Recomendar esta notícia via e-mail:

Campos com (*) são obrigatórios.